O impulso que faltava para empreender
[ editar artigo]

O impulso que faltava para empreender

Conhecer os nossos alunos e ex-alunos e ouvir as histórias de coragem e aprendizado que cada um deles nos conta é muito bom. É gratificante saber que a FAE faz a diferença no pessoal e no profissional de cada um. Quando eles vão nos contando as histórias, citando o nome dos professores e explicando como todos ajudaram na transformação do seu negócio é algo inexplicável, dá uma sensação de que é isso mesmo, de que somos uma instituição que, além de transmitir conhecimento, também cria protagonistas das suas próprias histórias. Com Iudy Makino foi assim... Assim só que diferente!
Quando entramos em contato com Iudy dizendo que queríamos contar a história dele e da Rubber Brasil no site da FAE, ele ficou muito feliz. Disse que, muito embora já tenha dado entrevistas, inclusive para veículos de São Paulo, tinha muita vontade de contar a história dele na FAE. Quando perguntamos por quê, ele respondeu que sua história com o Grupo Educacional é muito antiga, pois estudou a vida toda no Colégio Bom Jesus. E, assim que concluiu o Ensino Médio, cursou faculdade, fez intercâmbio e retornou ao Grupo, para fazer pós-graduação em Negócios Internacionais. Foi nesse momento que a vida dele mudou. Durante o curso de pós, surgiu a oportunidade de participar do FAE Incentiva e a Rubber Brasil começou a nascer.
“Me formei em Engenharia Elétrica, trabalhava como engenheiro em uma empresa de telecomunicação, mas não estava muito satisfeito. Fui para o Canadá para aprimorar meu inglês e, assim, retornar com chances maiores de boas colocações. Nem imaginava o quanto o intercâmbio mudaria minha vida. Lá, conheci minha companheira Carol e o piso emborrachado.”, explica Iudy, ao começar a contar a sua história. O engenheiro explica que, no Canadá, estudou, trabalhou e se divertiu. Assim que voltou ao Brasil, no fim de 2015, voltou para uma empresa de telecomunicação para atuar como engenheiro. Mas, a rápida recolocação no mercado de trabalho não foi o mesmo destino de sua namorada, Caroline Yamanaka. 
Mesmo voltando com o inglês afiado e já possuir um diploma de Engenharia Química, Caroline, não conseguiu emprego e partiu para o empreendedorismo. Ela começou a realizar bazares, com a família e amigas, e, mais tarde, com a ideia dando certo, se associou ao namorado Iudy e abriu uma loja de roupas em Araucária (PR), a Classy. “A loja foi nosso ponto de partida para o empreendedorismo. Com a Classy percebemos o quanto temos jeito para negócios. A Carol é empolgada mete as caras e vai e eu sou mais de planejar e organizar. Nós nos complementamos!”, explica o engenheiro.
A vida seguia seu rumo, a Carol com a loja de roupas e o Iudy como engenheiro de uma gigante das telecomunicações. Dessa forma podiam seguir e crescer, mas Iudy é obstinado na missão de ampliar horizontes e expandir conhecimentos. Foi então que, em 2016 veio até a FAE para fazer pós-graduação em Negócios Internacionais. “Eu realmente estava aprendendo coisas novas e diferentes, estava empolgado. Até que um dia entrou em minha sala o professor Paulo Cruz Filho para falar sobre o FAE Incentiva, um programa da FAE que estimula o empreendedorismo. Ele explicou os processos e como faríamos para participar. Imediatamente eu pensei: vou participar desse negócio! Foi assim, em uma noite eu lembrei dos pisos emborrachados do Canadá, no quanto a Carol queria trazer essa ideia para o Brasil e, assim, a Rubber começou a tomar forma”, pontua o aluno.

Voltando lá pro Canadá...
Iudy e Carol, que já namoravam, passeavam, aprendiam inglês e trabalhavam, resolveram fazer uma viagem para uma cidade turística chamada Whistler. Ao chegar no destino, uma das primeiras imagens que marcou foi o piso emborrachado de uma grande praça local. Imediatamente a namorada disse: “Imagine o sucesso que esse piso faria no Brasil!” Depois de reparar pela primeira vez, começaram a notar que esse piso estava em todos os cantos, inclusive na cidade em que moravam, Vancouver. “Virava e mexia a Carol falava que queria trazer para o Brasil e, com a visita do professor falando do FAE Incentiva, entendi que essa era a oportunidade. E mais uma vez eu e a Carol fomos com tudo”, diz Iudy.

Proposta de valor
De acordo com Iudy, o professor Paulo Filho explicou as etapas e disse que o primeiro passo, etapa eliminatória, seria apresentar uma “Proposta de valor”. “Eu só sabia do que se tratava porque tinha tido um módulo com o professor Douglas Zela e, em uma das aulas, ele falou sobre isso. Fiz download do arquivo e segui o passo a passo. Os professores gostaram e segui adiante”, conta. Em paralelo com a estratégia para o FAE Incentiva, Iudy Makino entrou em contato com a Rubaroc, empresa americana líder mundial em pisos emborrachados, e iniciou os trâmites para trazer a representação para o Brasil. Sabe o que ele apresentou para a empresa? A mesma proposta de valor que mostrou aos professores do FAE Incentiva e deu certo. 

Pitch
À medida que o aluno avançava nas etapas com o FAE Incentiva, também prosseguiam positivamente as negociações com a Rubaroc. Mas ambos os processos precisavam dar certo, a Rubber Brasil não existiria sem o FAE Incentiva. Até que passou para a etapa final, na FAE, e precisava montar um pitch, apresentação do negócio, para ser mostrado aos avaliadores do FAE Incentiva. Como inspiração, para montar o seu pitch, Iudy assistiu inúmeros episódios do Shark Tank. O programa, criado nos Estados Unidos em 2009, traz empreendedores apresentando suas ideias de negócio com o objetivo de conseguir investidores que viabilizarão seus projetos. 
Muito embora o Shark e o FAE Incentiva sejam atividades diferentes, o aluno aproveitou o programa para absorver questões positivas, como postura de venda, argumentos e a própria apresentação. “Foi uma maneira de adquirir confiança”, explica. “Eu me viciei no reality, precisava ser assertivo e impressionar, então assistia, assistia e assistia, o tempo todo. No entanto, dois minutos e 30 segundos era muito pouco tempo e eu precisava dar um jeito de maximizar esses minutos. Foi aí que tive a ideia de criar um catálogo e um banner de dois metros para apresentar aos participantes da banca. Todos traziam informações diferentes que se complementavam... Deu certo!”, conta Iudy que, antes mesmo de sair o resultado do pitch, já havia pedido demissão do emprego para investir na Rubber.
“O Iudy é pura confiança e determinação. Não tem um dia em que não esteja animado e correndo atrás”, destaca a professora Edna Cicmanec, uma das professoras membro do FAE Incentiva.


Nosso futuro
Efetivamente as vendas dos pisos iniciam agora, no segundo semestre de 2017. Quando perguntamos a Iudy se eles têm medo, sabe o que ele diz? “Quanto mais nãos eu receber, mais perto do sim eu estarei. Busquei conhecimento e me enchi de coragem. Sigo no FAE Incentiva e corro muito atrás, tenho um pressentimento forte. Lá na Rubaroc me chamam de Rei da América Latina, pois sou o primeiro a trazer esse tipo de aplicação para cá!”, conclui. 

Comunidade Empreendedora
Usuário removido Seguir

Continue lendo
Indicados para você